sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024

CD009 - Jelly Roll Morton (1926-27) Vol.1

Lançamento: 2007
Selo: Membran International GmbH
Série: Boxset 'The Encyclopedia Of Jazz' 
Gênero: Dixieland



Boa audição - Namastê
 

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

CD008 - Jelly Roll Morton Groups (1923-26)

Artista: JRNG
Lançamento: 2007
Selo: Membran International GmbH
Série: Boxset 'The Encyclopedia Of Jazz' 
Gênero: Dixieland


 Boa audição - Namastê

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2024

CD007 - New Orleans Jazz (1924-25)

Artista: NOJ
Lançamento: 2007
Selo: Membran International GmbH
Série: Boxset 'The Encyclopedia Of Jazz' 
Gênero: Dixieland

Boa audição - Namastê


sexta-feira, 16 de fevereiro de 2024

CD006 - New Orleans Rhythm Kings (1923-25) Vol.2

Artista: NORK
Álbum: Vol. 02
Lançamento: 2007
Selo: Membran International GmbH
Série: Boxset 'The Encyclopedia Of Jazz' 
Gênero: Dixieland


Boa audição - Namastê

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2024

CD005 - New Orleans Rhythm Kings (1923-25) Vol.1


Artista: NORK
Álbum: Vol. 01 
Lançamento: 2007
Selo: Membran International GmbH
Série: Boxset 'The Encyclopedia Of Jazz' 
Gênero: Dixieland

 Boa audição - Namastê

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2024

CD004 - King Oliver (1923-24) Vol.2


Artista: King Oliver
Álbum: Vol. 02 
Lançamento: 2007
Selo: Membran International GmbH
Série: Boxset 'The Encyclopedia Of Jazz' 
Gênero: Dixieland


Boa audição - Namastê


sexta-feira, 9 de fevereiro de 2024

CD003 - King Oliver (1923) Vol.1

Artista: King Oliver
Álbum: Vol. 03 
Lançamento: 2007
Selo: Membran International GmbH
Série: Boxset 'The Encyclopedia Of Jazz' 
Gênero: Dixieland



 Boa audição - Namastê

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2024

CD002 - Original Dixieland Jazz Band (1919-20) Vol.2

Artista: ODJB

Álbum: Vol. 02

Lançamento: 2007

Selo: Membran International GmbH

Série: Boxset 'The Encyclopedia Of Jazz' 

Gênero: Dixieland


 Boa audição - Namastê

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2024

CD001 - Original Dixieland Jazz Band (1917-18) Vol.1

Artista: ODJB

Álbum:Vol 01  

Lançamento: 2007

Selo: Membran International GmbH

Série: Boxset 'The Encyclopedia Of Jazz' 

Gênero: Dixieland



Boa audição - Namastê

sábado, 16 de dezembro de 2023

Boas festas e feliz natividade


 Ao viajantes do blog meus sinceros agradecimentos por mais um ano de pura transformação, jazz e conhecimentos que enriqueceu nossa biblioteca sincompada. O mundo em conflitos, as ideias se mesclando em  reações turbulentas e o ano de 2023 chegando ao seus suspiros finais diante de tamanhas perspectivas. Que a paz reine, o amor prospere e a união entre todos sejam auspiciosa. Boas festas e até  ano que vem...

quinta-feira, 14 de dezembro de 2023

Jon Batiste – Anatomy Of Angels: Live At The Village Vanguard

Artista: Jon Batiste

Álbum:  Anatomy Of Angels

Lançamento: 2018

Selo: Verve Records

Gênero: Jazz-Funk, Bop, Pós Bop

Anatomy of Angels foi gravado ao vivo no histórico Village Vanguard em Nova York no outono de 2018, durante a residência de Jon Batiste. Nele, o pianista exibe seu talento fluido de jazz ao lado de seus companheiros de banda de longa data do Stay Human, o baixista Philip Kuehn e o baterista Joe Saylor. Batiste muda para um som de jazz mais tradicional que evoca suas profundas raízes de Nova Orleans e sua paixão pela música do inovador pianista de bebop Thelonious Monk. Embora Batiste seja reconhecido há muito tempo por seu carisma e som polinizado, com Anatomy of Angels ele destaca suas costeletas de jazz ricamente texturizadas. Em “Creative”, a primeira faixa de Anatomy Of Angels: Live At The Village Vanguard , Jon Batiste reúne o que parecem ser oito minutos de música em quatro. A composição abre com uma seção de swing melodiosa que leva a uma divertida jam de honky-tonk; um riff moderno e rápido assume o controle, rendendo-se a uma seção de balada calmante. Cada um dos três originais do pianista aqui é semelhante: inconstante e improvisado no toque, erudito e complexo na execução. Na segunda, “Dusk Train To Doha”, ele aplica linguagens de blues e gospel, incentivando gritos do público. E na faixa-título, Batiste tira o chapéu para estruturas de big band com grupos de trompas em camadas, antes de iniciar um concerto de jazz exultante e a todo vapor. Gravado no Village Vanguard, o álbum capturou apenas uma fração da residência de Batiste no outono passado. Mas dois padrões foram eliminados, incluindo “Round Midnight”. Começa como uma revelação furtiva de cantos angulares ocultos e se transforma em um balanço pesado, antes de cair em uma rumba sutil. Uma trombeta solitária impulsiona a melodia – uma alusão musical, talvez Gabriel, o arcanjo, anunciando a aproximação da divindade.


Sax. Alto – Patrick Bartley

Baixo – Phil Kuehn

Bateria – Joe Saylor

Percussão – Nêgah Santos

Percussão, Guitarra – Louis Cato

Piano, Produtor Executivo, Arranjo por, Vocais, Encarte, Produtor - Jon Batiste

Sax. Tenor – Tivon Pennicott

Trompete - Giveton Gelin , Jon Lampley

Vocais - Rachel Price (tracks: 3)


Gravado ao vivo em outono de 2018 no Village Vanguard - NY



 Boa audição - Namastê

terça-feira, 12 de dezembro de 2023

Enrico Pieranunzi - The Extra Something (Live At The Village Vanguard)

Artista: Enrico Pieranunzi 

Álbum: The Extra Something 

Lançamento: 2022

Selo: C.A.M. Jazz 

Gênero: Post-Bop

O mestre pianista italiano Enrico Pieranunzi fez mais de cinquenta gravações até agora numa carreira que remonta à década de 1970 e contou com colaborações com figuras importantes como Chet Baker, Charlie Haden, Paul Motian e Jim Hall. Poucas de suas gravações têm tanta presença como The Extra Something, uma gravação ao vivo feita no lendário clube Village Vanguard, em Nova York. Trabalhando com uma banda de primeira classe, Pieranunzi combina valores fundamentais do jazz com um sentido de estrutura e ordem que vem da música clássica, mas tudo isso animado por um forte sentido de liberdade. Gravado no ambiente histórico do Village Vanguard em Nova York, The Extra Something não é apenas mais um lançamento de um artista prolífico. Trabalhando com uma banda de primeira classe, Pieranunzi combina valores fundamentais do jazz com um sentido de estrutura e ordem que vem da música clássica, mas tudo isso animado por um forte sentido de liberdade. Pieranunzi ascendeu ao posto de músico contemporâneo mais significativo, um nome que deve ser colocado ao lado de alguns dos maiores que já vimos e ouvimos. The Extra Something contém aproximadamente 60 minutos de música original composta por Enrico Pieranunzi.


Baixo - Ben Street

Piano – Enrico Pieranunzi

Bateria – Adam Cruz

Saxofone Tenor – Seamus Blake

Trompete, Trombone – Diego Urcola


Gravado ao vivo em 13 e 14 de janeiro de 2016 no The Village Vanguard, NYC


Boa audição - Namastê

sábado, 9 de dezembro de 2023

Ray Gallon - Make Your Move

Artista: Ray Gallon 
Lançamento: 2021
Selo: Cellar Music
Gênero: Post-Bop


A gravação de estreia do pianista Ray Gallon, Make Your Move, foi certificada, aprovada e endossada pelo lendário Ron Carter. Acompanhado por Kenny Washington na bateria e David Wong no baixo. O currículo impressionante de Ray Gallon não indica um artista “da tradição”, ou “da tradição”, mas sim um artista que incorpora a tradição, alguém que é um artista de jazz moderno, atual e ativo do ordem mais elevada. Inclui aparições e gravações com nomes como Ron Carter, Lionel Hampton, Art Farmer, TS Monk, Dizzy Gillespie, Milt Jackson, Harry ''Sweets'' Edison, Wycliffe Gordon, Les Paul, Benny Golson, Frank Wess, Lew Tabackin George Adams e a Big Band Mingus. Gallon também foi chamado para acompanhar muitos grandes nomes vocais (muitas vezes indicativo da elevada musicalidade de um pianista), incluindo Jon Hendricks, Sheila Jordan, Grady Tate, Nnenna Freelon, Gloria Lynne, Dakota Staton, Joe Williams, Chaka Khan, Jane Monheit e outros. Então, a questão que surge é: por que agora? Por que Gallon demorou tanto para lançar sua estreia? ''Eu precisava me sentir pronto - que tinha algo especial a oferecer, com uma identidade pessoal e um conceito refinado em termos de minha forma de tocar, repertório e concepção geral do trio, ao mesmo tempo em que estava imerso na tradição clássica do swing e do blues. O que mais me impressionou quando eu estava chegando, passando inúmeras noites no Village Vanguard, Sweet Basil e Bradley's, vendo/ouvindo Hank Jones, Tommy Flanagan, Cedar Walton, Kenny Barron, Ahmad Jamal, Bill Evans, Jimmy Rowles, Steve Kuhn (e muitos outros mestres), foi como cada um deles soou exclusivamente original, permanecendo fundamentado na tradição. Esses valores também foram incutidos em mim pelos meus professores, John Lewis, Jaki Byard e Hank Jones – que enfatizaram a importância de 'encontrar sua própria voz'', explica Gallon. '' Bem vindo ao mundo da música de Ray Gallon...pianista extraordinário...professor universitário...compositor e arranjador talentoso...e meu querido amigo......os arranjos são compactos, complexos e liso...'' - Ron Carter (extraído do encarte do CD)

Baixo – David Wong
Bateria – Kenny Washington
Piano - Ray Gallon 


Boa audição - Namaste

quinta-feira, 7 de dezembro de 2023

Kurt Rosenwinkel - The Remedy (Live at the Village Vanguard)

Lançamento: 2008
Selo: ArtistShare
Gênero: Contemporary Jazz, Fusion 

Já se passaram alguns anos desde o lançamento anterior de Kurt Rosenwinkel, Deep Song (Verve Music Group, 2005). Mas como um dos guitarristas mais dinâmicos do jazz moderno, tendo conquistado o respeito e aplausos da crítica e dos fãs, ele está de volta com o estelar CD duplo, The Remedy: Live at the Village Vanguard. Gravado ao vivo e sem edição no histórico espaço de jazz de Nova Iorque, documenta o guitarrista e um quinteto ardente com mais de 120 minutos de música emocionante, articulando com sucesso a eletricidade e a essência que o distinguem. Nesta ocasião, o grupo é composto pelo baixista Joe Martin, pelo pianista Aaron Goldberg, pelo baterista Eric Harland e pelo associado de longa data de Rosenwinkel, o saxofonista tenor Mark Turner. Aqui está a evidência de que eles eram um grupo coeso no Vanguard em 2006. "Chords" (composto por Rosenwinkel no computador) inicia o primeiro disco. A melodia bem definida e o cenário etéreo são contrabalançados por um balanço maravilhoso. Martin e Harland habitam um groove rítmico profundo e apoiam as mudanças labirínticas. A forma de tocar de Goldberg também está correta, expandindo as melodias intrincadas, permitindo que Turner e Rosenwinkel abram caminhos para explorar. A propensão de Rosenwinkel para harmonia, atmosfera e ritmos estranhos é ouvida por toda parte, na peça título e em "Flute", uma música episódica que lentamente se expande em um groove completo. O piano de Goldberg sobe, então Turner traz as coisas à terra com seu tenor exuberante enquanto Rosenwinkel cimenta a melodia com seus arpejos característicos (ligeiramente processados) em tons de fusão e solos extremamente rápidos. Soando como uma combinação da nova era dos guitarristas Wes Montgomery e Alan Holdsworth. Embora tenham texturas e estilos diferentes, Turner e Rosenwinkel têm uma relação musical simbiótica que já dura muitos anos. Suas vozes contrastavam: a introdução de acordes solo de quase cinco minutos de Rosenwinkel em "A Life Unfolds", seguida pelo sax comovente e quase choroso de Turner. O segundo disco abre com os movimentos em cascata de "View From Moscow", um passeio emocionante em 12/8 que é completamente satisfatório. Outros momentos memoráveis ​​incluem o blues modal de "Safe Corners" com outra longa introdução de Rosenwinkel e seus solos sem palavras (scat-like). O CD duplo termina com a fumegante "Myron's World" escrita por Turner em seu lançamento de 2001, Dharma Days (Warner Bros., 2001). Turner configura as coisas com sua própria introdução de sax de quatro minutos, um som pós-Coltrane distinto – fluido, cuidadosamente curioso e comovente. A banda então aumenta a aposta, fortemente, com swing forte e solos imaginativos, incluindo baquetas criativas de Harland, provando mais uma vez porque ele é um dos jovens bateristas mais quentes do mercado. Existem muitas variáveis ​​que podem tornar as gravações ao vivo “imperfeitas”. Problemas de banda, problemas de som, cortes pós-edição e assim por diante. Mas do início ao fim The Remedy é um sucesso total, mostrando o potencial da “música do momento”. Pode muito bem ser “o remédio”, como afirmou Rosenwinkel. POR MARK F. TURNER

____________________________________________________

Baixo - Joe Martin 

Bateria – Eric Harland

Guitarra – Kurt Rosenwinkel

Piano - Aaron Goldberg 

Saxofone Tenor – Mark Turner


Gravado em janeiro de 2006 por Michael Perez-Cisneros no The Village Vanguard, NY.


 Boa audição - Namastê

sábado, 2 de dezembro de 2023

Bill Evans - At the Village Vanguard

Artista: Bill Evans Trio

Álbum: At the Village Vanguard August 17, 1967

Lançamento: 2004

Selo: Verve Records

Gênero: Modern Post-Bebop

Considerado um dos pianistas de jazz mais importantes de todos os tempos, Bill Evans mudou a maneira de tocar piano no jazz, influenciando pianistas como Herbie Hancok, Chick Corea, Keith Jarret, Hapton Hawes, Steve Khun, Alan Broadbent, Denny Zeitlin, Paul Bley, Michel Petrucciani e muitos outros. Gene Lees o considerou a maior influência pianística de sua geração, especialmente pela sua nova abordagem da sonoridade e da harmonia. Para James Lincoln COLLIER, Evans representa a maior influência entre os pianistas desde a década de 1960: Evans mudou a linguagem do piano no jazz moderno, incorporando procedimentos harmônios derivados dos impressionistas franceses, forjando um estilo coletivo conhecido pelo contraponto ao mesmo tempo rítmico e fluido. Além de grande pianista, Evans também foi um grande compositor, embora muitos desconheçam esse fato, o que contribui para que não seja devidamente estudado ainda. Os livros, teses, dissertações e artigos sobre Evans tem tratado mais de seu estilo de performance e improvisação, mas não de seu estilo composicional. "At the Village Vanguard August 17, 1967" é um álbum altamente elogiado de Bill Evans e seu trio. O álbum é conhecido pela sua musicalidade excepcional e pela interação perfeitamente sincronizada entre os três músicos. Composto por uma mistura de composições originais e standards de jazz e as performances do trio são caracterizadas pela sensibilidade, nuance e virtuosidade. O toque lírico e melódico de Evans é perfeitamente complementado pelas linhas inovadoras de baixo de Eddie Gomez e pelo baterismo sutil e dinâmico de Philly Joe Jones.

________________________________

Baixo – Eddie Gomez

Bateria – Philly Joe Jones 

Piano – Bill Evans

Gravado ao vivo no Village Vanguard, em August 17, 1967 - NY


 Boa audição - Namastê

quinta-feira, 30 de novembro de 2023

Village Vanguard, O lendário clube de jazz de NY

O Village Vanguard na 7th Avenue, 11th Street West em Greenwich Village é o mais antigo clube de jazz em operação contínua em Manhattan. O restaurante, que inicialmente ficou muito tempo fechado após o fim da Lei Seca com o nome de Triângulo Dourado, foi descoberto pelo jovem Max Gordon em 1935. Ele mudou o nome para Village Vanguard e o transformou no clube de jazz mais famoso de Nova York. No início, porém, o clube era um local de apresentação de diversos artistas de diversos gêneros musicais. O músico folk Lead Belly, mas também  Harry Belafonte, ainda completamente desconhecido na época se apresentaram no bar da esquina da Sétima Avenida com a Waverly Place. A partir de 1957, o Village Vanguard tornou-se um puro clube de jazz. O Village Vanguard logo se tornou um dos endereços de jazz mais procurados de Nova York. No início, porém, comediantes e outros artistas também apareceram ao lado de músicos como Sidney Bichet e Mary Lou Williams. Os convidados permanentes subsequentes e músicos da casa incluíram Charles Mingus, Elvin Jones e Dexter Gordon. Seguiram-se concertos de  Thelonious Monk, Dizzy Gillespi, Miles Davis, Stan Getz e Art Blakey e muitos outros. O Vanguard tornou-se um dos locais mais procurados tanto por músicos quanto por fãs de jazz nova-iorquinos. No início da década de 1960, tornou-se cada vez mais difícil para os operadores de clubes sobreviverem economicamente e começou a grande morte dos clubes de jazz em Manhattan. Quando muitos clubes, como o lendário Birdland, tiveram que fechar em meados da década de 1960, o "Vanguard" sempre foi uma garantia de jazz de alta qualidade em Nova York. Quadros e cartazes nas paredes ainda nos lembram os antigos mestres do jazz e os velhos tempos. Depois que o fundador Max Gordon morreu em 1989, sua esposa Lorraine Gordon assumiu o bar de jazz e administrou o negócio até sua morte em junho de 2018. O Vanguard permanece propriedade da família - a filha Deborah Gordon assumiu o comando do clube desde 2018. Com o tempo, novos aspirantes a músicos começaram gradualmente a aparecer no clube de Nova York. O trompetista Wynton Marsalis, o guitarrista Kurt Rosenwinkel, o contrabaixo Christian McBride e o pianista Brad Mehldau estão entre os nomes de destaque das gerações seguintes. Também bandas e artistas da geração mais jovem como: B. The Bad Plus, Chris Potter e Esperanza Spalding aparecem regularmente no Vanguard. A geometria única faz do Village Vanguard um excelente local para gravações ao vivo . O edifício, tal como o clube com os seus 123 lugares na cave, é em forma de cunha. O palco fica em um dos cantos da sala. Até o momento, cerca de 160 gravações ao vivo foram feitas no Vanguard bem com nos últimos anos, alguns vídeos ao vivo foram adicionados. 

___________________________________________________________

1957: Noite no Village Vanguard (Sonny Rollins, Blue Note)

1961: Valsa para Debby e Domingo no Village Vanguard (Bill Evans, Riverside)

1961: No Village Vanguard (Charlie Byrd)

1961: Coltrane “Live” no Village Vanguard (John Coltrane, Impulse!)

1962: The Cannonball Adderley Sextet em Nova York, com Nat Adderley e Yusef Lateef gravado “ao vivo” no Village Vanguard (Riverside)

1963: Impressões (John Coltrane, Impulse!)

1966: All My Yesterdays: The Debut 1966 Recordings at the Village Vanguard (Thad Jones/Mel Lewis Orchestra, Resonance, 2016)

1967: Viva novamente no Village Vanguard! (John Coltrane, Impulso!)

1970: Betty Carter no Village Vanguard (Betty Carter, Verve)

1976: De volta ao lar: ao vivo no Village Vanguard (Dexter Gordon, Sony)

1979: Formigas Nuas (Keith Jarrett, Jan Garbarek, Palle Danielsson, Jon Christensen, ECM 1986)

1980: Apague as estrelas (Bill Evans, Nonesuch)

1984: Ao vivo no Village Vanguard (Michel Petrucciani, Blue Note)

1988: Apenas amigos: ao vivo no Village Vanguard (Eddie Daniels/Roger Kellaway, Resonance, 2017)

1999: Ao vivo no Village Vanguard (Wynton Marsalis, Sony)

2006: Ao vivo – No Village Vanguard (Brad Mehldau, Nonesuch)

2007: Ao vivo no Village Vanguard (Bill Charlap, Blue Note)

2008: Brad Mehldau Trio ao vivo

2009: One Night Only (Barbra Streisand e Quarteto no The Village Vanguard)

2014: Ao vivo no Village Vanguard (Marc Ribot Trio, Pi Recordings)

2014: Ao vivo no Village Vanguard (Christian McBride)

2017: Sonhos e Adagas (Celine McLorin Salvant)

2019: Common Practice (quarteto de Ethan Iverson, com Tom Harrell)




 Boa leitura - Namastê

terça-feira, 28 de novembro de 2023

Betty Carter - At The Village Vanguard


Lançamento: 1993
Selo: Verve Records
Gênero: Bebop, Post-Bop


Indiscutivelmente a cantora de jazz mais aventureira de todos os tempos, Betty Carter era uma estilista idiossincrática e uma improvisadora inquieta que ultrapassava os limites da melodia e da harmonia tanto quanto qualquer trompista de bebop. A voz rouca de Carter era capaz de reformular radicalmente tudo o que cantava, mudando abruptamente os andamentos e a dinâmica ou reorganizando as letras em padrões rítmicos distintos e fora do ritmo. Ela poderia solo por 20 minutos, dispersar-se na velocidade da luz ou transmitir uma emoção para casa com gemidos e suspiros sem palavras e melancólicos.
Cantora de jazz altamente influente, conhecida por seu canto scat, interpretações musicais complexas e flexibilidade vocal notável. Nascida em 1930 em Flint, Michigan, Carter começou sua carreira cantando em nightclubs e mais tarde se tornou uma figura importante nos movimentos de bebop e hard bop de jazz. Seu estilo único e abordagem inovadora à improvisação lhe ganharam aclamação crítica e diversos prêmios, incluindo um Grammy Award para Melhor Performance de Vocal Jazz em 1988. As contribuições de Carter para a música de jazz foram amplamente reconhecidas e ela é frequentemente citada como uma das cantoras de jazz mais influentes de todos os tempos. Se apresentou no Lincoln Center em 1993 e no ano seguinte para o presidente Clinton na Casa Branca; três anos depois, ele a presenteou com a Medalha Nacional de Artes. Carter perdeu uma batalha contra o câncer de pâncreas em 26 de setembro de 1998, falecendo em sua casa em Fort Greene, no Brooklyn. “At The Village Vanguard” é um álbum de 1970, gravado ao vivo com seu trio durante um show no Village Vanguard em Nova York. O álbum é considerado um clássico da música de jazz e um exemplo da inovadora abordagem de Carter à improvisação. O trio de Carter é composto pelo contrabaixista Lysle Atkinson, o baterista Al Harewood e o pianista Norman Simmons, todos músicos talentosos que contribuem para a profundidade e complexidade das performances de Carter. Se você gosta de jazz e aprecia a voz poderosa e a improvisação criativa de Betty Carter, esse álbum é uma obra-prima que você não deve perder!

Baixo – Lisle Atkinson
Bateria – Al Harewood
Piano -Norman Simmons

Gravado em 22 de maio de 1970 no Village Vanguard, Nova York.


Boa audição - Namastê

sábado, 25 de novembro de 2023

Gerald Clayton - Happening: Live at the Village Vanguard


Artista:  Gerald Clayton 
Lançamento: 2020
Selo: Blue Note Records
Gênero: Post-Bop


Desde que saiu da longa sombra lançada pelos Clayton Brothers no Earfood de 2008 do falecido Roy Hargrove e no Reverence de Kendrick Scott no ano seguinte, o pianista Gerald Clayton tem chamado a atenção como compositor, líder de banda e solista. Happening: Live at the Village Vanguard , é sua estreia no Blue Note. Clayton oferece originais e padrões em configurações de trio e quinteto. Seus acompanhantes na ocasião são o baixista Joe Sanders e o saxofonista alto Logan Richardson, ambos colaboradores de longa data; o saxofonista tenor Walter Smith III, que trabalhou com Clayton em Reverence, de Scott, e The Heart Emerges Glistening, do trompetista Ambrose Akinmusire, e o baterista Marcus Gilmore, estreante no universo do pianista, embora já tenha trabalhado com Smith. O programa de 75 minutos é composto por sete músicas, todas longas. Ele abre com um original, "Pacientes com Paciência". Arranjado para quinteto, este exercício labiríntico de pós-bop oferece reviravoltas líricas misteriosas enquanto os saxões dançam e galopam para formar um pano de fundo que é igual em partes de modalismo oriental, classicismo moderno e jazz latino. Os chifres conduzem a cabeça através de terreno harmônico modal antes de desaparecer; a seção rítmica trava o solo astuto de Clayton que permite a reentrada do solo de Smith em um espaço aberto. "A Light" oferece uma abordagem abstrata com sabor espanhol do tema antes que o resto da banda entre. O break alto atraente e até estimulante de Richardson une as vozes de acordes percussivos e arpejos angulados de Clayton para apresentar o solo de Smith, que é oferecido com fisicalidade, lirismo e controle de David S. Ware antes que a banda explore ao lado dele. "Celia" de Bud Powell é interpretada pelo trio. Clayton oferece uma observação solo deliberada sobre sua estrutura tonal para introduzir uma seção rítmica no stun. Os demais integrantes pressionam fortemente o pianista e ele responde com um swing exuberante. A outra música do trio é "Body and Soul" emocionalmente ressonante. Abrindo novamente com um solo de piano, Clayton extrai liberalmente fragmentos da melodia para erguer uma introdução vulnerável, mas ressonante. Sanders e Gilmore sussurram sob seu teclado enquanto ele injeta nuances para comandar a harmonia. "Envisionings" é um blues modal com solos musculares de Smith e Richardson em meio a uma forte invenção rítmica e descoberta harmônica. "Take the Coltrane" de Duke Ellington fecha o set com uma introdução de piano no estilo Monk (você pode ouvir traços de "You Needn't" em sua cadência) antes que a bateria e o baixo entrem em tempo duplo, e as trompas entreguem a cabeça nodosa em escalonamento. tandem, tempo de alongamento e swing. Todos fazem solo neste monólito de 14 minutos; eles se concentram na colisão orgíaca de harmonia e ritmo de Duke, explorando suas implicações ao apresentar novas declarações, em vez de repetir os motivos claramente declarados em uma conclusão cativante. Acontecendo: é um esplêndido exemplo da chegada de Clayton como um mestre possuidor de uma técnica invejável e original e de uma imaginação caleidoscópica. - Crítica de Thom Jurek
_________________________________________________________

Sax. Alto - Logan Richardson (faixas: 1,2,4,5,7)
Baixo – Joe Sanders 
Bateria – Marcus Gilmore
Piano, Produtor - Gerald Clayton
Sax. Tenor – Walter Smith III (faixas: 1,2,4,5,7)

Gravado em abril de 2019 no The Village Vanguard, Nova York.


 Boa audição - Namastê