segunda-feira, 6 de abril de 2009

Diana Krall à flor da pele


Leopor Leonardo Alcântara
Rio de Janeiro - Brasil


Diana Krall
Quiet Nights (2009)
Cotação: ****

A maioria de vocês conhece Diana Krall: uma cantora e pianista refinada, com uma voz sexy, de timbre correto, e que não costuma variar seu repertório e estilo. Diana é como Chet Baker, que encontrou uma maneira de tocar e morreu com ela.

Em Quiet Nights, Diana não foge à fórmula de álbuns anteriores, como The Look of Love (2001) e The Girl in the Other Room (2004), que são recheados com standards, baladas e ambientados com uma atmosfera elegante e sensual. O produtor Tommy LiPuma e o arranjador Claus Ogerman são os mesmos de The Look of Love, o que reforça ainda mais a idéia de repetição. Apesar de ser um álbum dedicado à bossa-nova - segundo a própria cantora -, vocês não notarão muita novidade, já que a Diana sempre demonstrou em outras oportunidades o seu amor pela música brasileira, sobretudo tocando algumas bossas em seus shows regulares.

Mas nem sempre o que é repetido soa ruim. Muito pelo contrário, em time que está ganhando não se mexe. Quem é árduo por novidades, não irá ouvir Diana, assim como não ouve Chet. Quem já ouve Diana e também ouve cantoras como Jane Monheit e Cassandra Wilson, certamente não irá se arrepender de Quiet Nights.

No novo cd, Diana se expressa à flor da pele, cantando suave, quase sussurrando, como se fosse uma mulher declarando seus desejos mais íntimos ao pé do ouvido. Todo esse ar de sensualidade deu ainda mais vida às canções de amor de Antônio Carlos Jobim, que aqui estão representadas em Quiet Nights - a versão em inglês de Corcovado -, The Boy from Ipanema e Este seu Olhar, cantada em um português um pouco deficiente, mas nada que abale o sentido sentimental da canção. Definitivamente, é um álbum para embalar um romance na madrugada, à meia-luz e do lado de quem você gosta. Compre o cd e um bom vinho, que eu garanto que noite será boa. Qual vinho vocês recomendam? rs!

http://www.dianakrall.com/

Veja vídeos de divulgação da turnê de Quiet Nights

3 comentários:

ZM JazzRock disse...

Caro Leonardo,

Excelente review. Concordo plenamente com você. Como grande admirador desta excepcional artista, já baixei este mais recente álbum de La Krall (enquanto não compro o CD, pois tenho todos seus álbuns, alguns em formato multi-canal que destacam ainda mais seu vocal e qualidades como intérprete), e percebi exatamente o que vc descreve aqui neste post.

E é exatamente por aoompanhar sua carreira desde o início, é que desenvolvi uma teoria: Se olharmos para seu excelente primeiro registro solo "Stepping Out", nota-se que a cada lançamento, o destaque fica mais para a produção e para os seus atributos físicos (que certamente não são de se desprezar), em detrimento do conteúdo, do mood jazzy. Se fizermos um gráfico com a nota atribuída a cada CD ao longo do tempo, iremos encontrar uma curva descendente. A taxa deste caimento fica por conta da boa vontade do ouvinte.
Mas apesar de tudo, ainda estamos falando dela: DIANA KRALL.
--zm

Antonio Duarte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Antonio Duarte disse...

Cassandra Wilson, possível ?